Uma delícia!

Leite Materno: Colostro

“Leite materno é comida gourmet, especial e naturalmente “confecionada” para bebés. (…) é um alimento natural, vivo e completo. (…) A sua constituição nutricional varia para ir de encontro ao desenvolvimento do bebé.”

 

Esta foi a apresentação que fiz do leite materno no meu artigo “Mamã Gourmet”.

 

Aqui o assunto é o mesmo. Mas falo, especificamente, sobre a primeira (de um total de três) fase do leite materno, a do “Ouro líquido”. Menos pomposo e mais corretamente conhecido como Colostro. Trata-se do primeiro leite produzido pela mãe, ainda durante a gravidez.

 

Por ser amarelo, espesso e naturalmente precioso gosto de referir-me a ele como “Creme de Ouro”.

 

É biologicamente – no verdadeiro sentido da palavra – produzido para dar resposta às primeiras necessidades do bebé. Por ser o primeiro, mantém a sua composição inalterada até 30 horas após o parto. A sua missão é iniciar a adaptação do bebé ao mundo exterior.

 

 

O que é que o Colostro tem que o torna tão essencial?

 

Antes de mais, é fácil de digerir! O sistema gastrointestinal do bebé é imaturo.

 

O colostro é composto, na sua maioria, por glóbulos brancos. Estas células são responsáveis pela produção de anticorpos. Quando oferecidos ao bebé, estes conferem proteção contra doenças para as quais a mãe já está imunizada.

Quando nasce, o bebé tem baixas reservas de vitamina A, ainda que a mãe não tenha défice dessa vitamina. Estas reservas são repostas  quando o leite materno é oferecido. A vitamina A é importante para o desenvolvimento de uma visão saudável,  da pele e desenrola um papel importante no sistema imunitário.

 

Oferecer o colostro significa também oferecer: Magnésio – importante para os ossos e coraçãoZinco – essencial para o desenvolvimento cerebral. O colostro tem cerca de quatro vezes mais zinco do que o leite maduro | Cobre –  que juntamente com o mineral anterior associa-se para o  desenvolvimento do sistema imunitárioTodos eles cruciais para garantir o rápido e saudável desenvolvimento  do bebé.

Prébióticos são “alimentos” para as “bactérias boas” do trato gastrointestinal. A existência equilibrada destas bactérias são benéficas para o bom funcionamento deste conjunto de órgãos.

 

O bebé, como ser ainda imaturo, tem especificidades que contribuem para uma condição de saúde designada icterícia. Essa condição é evidente pela típica coloração amarelada das escleróticas e da pele.

Entre outros fatores, um funcionamento ainda em desenvolvimento do fígado e a escassez de determinadas bactérias no intestino fazem com que uma substância se acumule no organismo, a bilirrubina. Estimular dejeções é uma forma de ajudar a eliminá-la. É aí que o colostro entra, por ter efeito laxante.

 

Bem, mais uma vez parece que a natureza sabe bem o que faz, não é?

 


O que fui cuscar para este Pedaço!

https://www.lusiadas.pt/blog/prevencao-estilo-vida/nutricao-dieta/probioticos-prebioticos-simbioticos-que-sao

https://www.medela.pt/amamentacao/jornada-da-mae/colostro

https://www.msdmanuals.com/pt/profissional/pediatria/dist%C3%BArbios-metab%C3%B3licos-eletrol%C3%ADticos-e-t%C3%B3xicos-em-rec%C3%A9m-nascidos/hiperbilirrubinemia-neonatal?query=icter%C3%ADcia

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44628/9789248501814_por.pdf;jsessionid=07F4FB2E731F2811591B7A57AD74057F?sequence=31

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *